segunda-feira, 2 de abril de 2007

To the left

Resolvi prestar homenagem à minha mão direita. Mais que isso, um favor ao meu corpo. Andei pensando em como minha mão direita, desde que nasci, trabalha muito mais que a sua vizinha esquerda, querida mãozinha. Lembrei que havia uma época, lá pelos meus quatorze anos, em que eu treinava pra ser ambidestro, e até obtinha êxito, tentava poupar a mão direita, fazendo com que alguns neurônios a mais fossem estimulados pelos exercícios dedicados. Por falta de disciplina, acabei esquecendo daquele objetivo tão singelo e sincero.

Pobre mãozinha, faz quase tudo o que se tem pra fazer quando o assunto é usar apenas uma das mãos. Pobre mão direita...

Curioso: há algumas coisas que, apesar de destro, eu só consigo fazer direito usando a mão esquerda. Telefone, por exemplo: só me concentro ao telefone se estiver segurando o aparelho colado ao ouvido esquerdo, do contrário, a ligação é sempre muito incômoda. Copo: adoro pegar copo com a mão esquerda (neste caso não é como na questão do telefone - eu consigo me concentrar, caso tenha que pegar o copo com a mão direita). Mas eu prefiro usar o copo na mão esquerda. Ela se torna um poderoso suporte. Eu costumo conversar com as pessoas, refletir, assistir à televisão, dar risada, pensar sobre o mundo, e esquecer o copo ali, na mão esquerda, ereta, imóvel, disciplinada. Não raro me pego com ela - e o copo - no ar, aí lembro de abaixar, e repousar o copo e a mão em algum lugar mais confortável que o ar.
Coisas da minha mão esquerda.

Mas é sério: se a esquerda fica para 5, ou 10 e até no máximo 15% da população, coitadas das mãos direitas! Como as direitas trabalham muito mais! As mãos direitas operam neste mundo, majoritariamente, mais que oitenta por cento do trabalho uni-mão (trabalho desempenhado apenas por uma das mãos).

A esquerda está condenada à porcentagem menor? Pobre esquerda.

Depois de bastante refletir, está decidido: a partir de hoje, não adianta, mão esquerda!, você dividirá trabalho com a sua amiga (e não rival) mão direita! Se preciso escovar os dentes, você colaborará; se preciso levar as sacolas, você as levará (se for uma apenas, você a leva; se forem várias, você leva as mais pesadas). Nada de injustiça, chegou a hora de compensar todo o trabalho que a sua amiga (e não rival) mão direita andou fazendo até o dia de hoje, neste corpo. Continue com os copos, continue com os telefones, mas trabalhe mais, divida mais as tarefas quando não puder fazê-las totalmente sozinhas! Divida trabalho, poupe a sua amiga (e não rival) e permita que ela tenha vida saudável, sem uma vida sobrecarregada e de esforço contínuo e, por vezes repetitivo.

Esquerda, faça sua revolução!

Um comentário:

¨Pitanga disse...

Até poderia fazer o mesmo, tentar compensar uma pela outra, mas um dos meus maiores defeitos é ser preguiçosa, por isso assim serei no que se trata da minha mãe esquerta tb: só a usarei instintivamente, automaticamnete, não vou me esforçar. Todos os outros estudos e tarefas já são tanto esforço pra mim.....ê, preguiça!!
Mil beijões, da Pitanga :¨¨