sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Foi feliz sem ser pobre [Da Série: Foi Feliz Para Sempre]

Ela não teve culpa, foi muito feliz, muito feliz mesmo, sabe? Dessas pessoas que acordam todo dia com um sorriso no rosto, independentemente do que aconteça? Então, ela era assim... Nunca passou fome, nunca sentiu frio, nunca nem teve doença grave ou preocupação com dívida de fim de mês. Ah, como era boa aquela vida! Ela conheceu o mundo inteiro, dormiu nos melhores hotéis, degustou as melhores bebidas, os melhores vinhos, os privilégios mais caros. Teve outros amigos ricos. Nem teve amigos falsos. Durante a adolescência, fez questão de ser uma boa aluna, perdeu a virgindade aos dezessete, quando finalmente achou que era a hora. Não teve pressa. Casou com um jovem chamado Alfredo, a quem todos chamavam de Fred. O marido tinha sobrenome importante, era de família poderosa, mas nem por isso era uma pessoa má. Ele também não teve culpa de ter nascido rico. Ah, como foram felizes! Ela não quis ter filhos e os pais não ligaram, porque seus dois irmãos, um mais velho e uma mais nova, trataram de lhes dar netos. Teve motorista particular, tocou piano em noites quentes, no pátio, à beira da piscina. Bebia água importada, doou dinheiro pra instituições de caridade. Vestiu-se bem, mergulhou no Mediterrâneo e no Caribe. E foi feliz para sempre.

Dez situações que aconteceram em 25 segundos

1. Tem uma barata em cima da minha roupa, sobre as minhas costas, e eu sei, (...) não quero tirá-la daí.


2. Eu já falei pra você fazer exercícios!,..., é por isso que engorda!, chega e não sai deste quarto, ou então fica jogado, deitado sobre o sofá! Que merda!


3. Por favor..., [silêncio prolongado] não fale sobre isso pra ninguém, ok?


4. Eu percebi que devia parar de fumar quando um estranho me olhou na rua, com um ar de reprovação, e ao mesmo tempo, decepção. Era como se ele me conhecesse, e soubesse que eu só fazia mal a mim mesma. E ao bebê.


5. Meu pau fica pro lado esquerdo, hahahaha! [gargalhadas]


6. Não gosto da minha mãe! Não gosto da minha sogra! Não gosto muito de mulheres. Com exceção da minha.


7. Fiz algo que nunca tinha feito antes, eu mesma não sabia que era capaz, achava que esse tipo de coisa só acontecia em filme, em livro, mas, não, gente, é real. Só agora eu me dou conta de como a vida é estranha, de como a gente acredita em Deus, achando que ele olha pela gente, mas na verdade Deus nem existe, o que existe é a nossa imaginação... Eu matei aquelas pessoas. E não me arrependo.


8. Não sei, acho que não passo dos trinta e cinco. Mas tô feliz com a minha vida assim... Prefiro continuar assim.... Quê? Tão olhando o quê?


9. Não, espera, eu acho que vou ficar com o azul. (...) Combina muito mais com a minha bolsa.


10. Coloca a tua mão aqui, isso. Você pediu, agora vai até o fim. É assim que eu gosto... Não pára.



___

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Pequeno Poema de Frase Parnasiana *

Amor, coisa estranha, que machuca, sabem eles o que é, e querem que seja agora.



*Dedicado a Tais Nara e Gueko Hiller.



__________

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Corpo/Máquina

corpo/máquina
corpo/máquina
corpo/máquina
corpo/máquina

homem/máquina
homem/máquina
homem/máquina
homem/máquina

homem/corpo
homem/corpo
homem/corpo
homem/corpo

máquina/máquina
máquina/corpo
homem/corpo
corpo/corpo
comem/máquina