sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Caçada

Encontro pessoas e seus corpos e encontro mentes e gozos,
Uniões, mas o que resta é egoísmo,
um ego, um ego-ísmo do qual não me livro,
E acho muito, muito necessário.

Ando, busco e continuo insatisfeito.
São corpos morenos e brancos, e jovens e corpos.
Minha cama e eu guardamos pouco de seus cheiros, de suas lembranças.
Não sinto muito seus gostos.

No fim, o que resta é mim.

Guardo as vozes de poucos, e sigo.
A cada dia, a cada semana, a cada segundo,
desejo mais um.

E me canso.

3 comentários:

Pitango disse...

É um ciclo interminável, mas que às vezes precisa de uma pausa.

Abço
Pitango
http://lenfantdeboheme.blogspot.com/

Pâmela disse...

eles estão de olho...

jean, vc acredita que fiz a prova da uerj ontem e havia um texto de um blog lá?, do fernando chuí - mt bom!
pois é, achei super legal a abordagem, chega de exclusão aos fantásticos blogueiros que existem mundo afora!

Bjs!!

Jean Souza disse...

acredito! blogs e afins representam já, há um bom tempo, o fim da cultura de massa, modelo um > todos.

agora não há centro, há centros difusores de comunicação, não é?

acho que a gente ainda tá na ebulição desse movimento de segmentação absurda, de proliferação de tantos meios difusores de conteúdo.

confesso que me assusto um pouco, tenho até ficado meio perdido, nos últimos dias, mas acho que a tendência é as coisas se acertarem.

quem sabe com a criação de redes de conteúdos afins? várias redes interligando de forma menos caótica esses nichos de segmentação...

enfim, divagações aqui depois de uma pizza.

beijos.