quinta-feira, 12 de abril de 2012

Janela

Cidade, janela, carros, prédios, grandes testemunhas de confissões mudas, que reservo para mim. Não verbalizo, não vocalizo, não externalizo. Penso, em silêncio.

A solidão do pensamento para si contém as maiores angústias que um homem pode ter.

3 comentários:

Lice B. disse...

Muito bom o seu texto, uma introspecção interessantíssima. Parabéns!

Jean Souza disse...

obrigado ;)

Laudy disse...

Verdadeiro, profundo, único e simplesmente lindo...