terça-feira, 15 de maio de 2012

Biscoito da sorte [ou Desculpa pra ver horóscopo]

Em princípio, e por princípio, eu não gosto de horóscopos. Acreditar que os astros regem nossas vidas, assim, de cara, é uma forma muito chocante de assumir falta de autonomia – coisa pavorosa, a meu ver. Mas atire a primeira pedra quem nunca deu uma olhadinha no horóscopo do jornal e soltou uma interjeição do tipo “caramba! é exatamente isso!”. Aí, no outro dia, a gente olha de novo “só de bobeira, só pra checar, tô zoando”, e vê um conselho nada a ver. Mas ora, quem é você pra falar que eu preciso de mais auto-estima? Que loucura! Tô ótimo! Que charlatanice! E, no dia seguinte, olha de novo e solta um risinho concordando com tudo, só que na outra manhã, percebe que o conselho de quarta-feira pra Aquário é praticamente o mesmo pra Leão, na segunda.

E vai assim, brincando de acaso, de ouvir conselhos em cinco linhas, se divertindo, no que é, afinal, um exercício bastante saudável de refletir sobre os nossos rumos, os nossos desafios, nossos desejos - uma espécie de conselho de amigo, só que envolvido numa aura transcendente, que é muito mais legal que conselho de gente.

Gosto de ver horóscopo como biscoito da sorte, ou realejo, oráculo da vida moderna: algumas mensagens simples às vezes mudam o curso de tudo.

2 comentários:

Lice B. disse...

Já tem um tempinho que ando acompanhando suas postagens e, tenho de admitir, você escreve muito bom! Não só na estrutura, mas você diz a verdade, não sendo clichê em suas colocações, e passa tudo o que você está sentindo o sua opinião como se fosse a coisa mais fácil do mundo, rs. Admiro bastante quem escreve assim. Parabéns!

Jean Souza disse...

Obrigado! =)