domingo, 24 de novembro de 2013

8 de julho de 2013

Certifique-se de estar vivendo com muito prazer.

Anos 10

Lojinha de luminárias no Saara, centro do Rio, hora do almoço. O homem engravatado escolhe algumas peças, atendido pela vendedora gordinha e simpática, os dois com seus trinta e poucos anos, ela fazendo seu papel de atendente, ele de comprador.

Ele diz que está com pressa e que volta no dia seguinte, pede nome e telefone dela, que prontamente busca um cartão da loja e entrega ao cliente.

- Mas aqui tem só o telefone da loja - ele reclama, em tom comedido. Na verdade eu queria o seu.

Os olhos da moça sorriem discretamente, ela volta ao balcão e preenche de novo o pedaço de papel. Ele confere, sorri de volta, anda alguns passos no interior da loja, como quem procura um abajur, ela diz que sai às seis e que a chefe está de olho. Ele então se despede e agradece. Ela age como se acabara de atender mais um comprador.

Com o pé já na calçada ele então retorna à loja, caminha até a vendedora e diz, novamente se despedindo:

- Meu nome é Antônio.

13 de novembro de 2013

Parece que está todo mundo sofrendo.

Nublado

embriaguez / languidez
embriaguês / languidês
embriaguesz / languidesz

nublado verão.

Rio de Janeiro, 18 de novembro de 2013

Minha fé no acaso só aumenta.

19 de novembro de 2013

Estranha e carregada energia política.
Rio estranho. Arrastão. Especulação.

Calor.

Dança

Às vezes, te enxergo em duas dimensões,
No meio da fumaça,
Na pista de dança.

Você é plano,
Folha que se move.

Espelhos refletem,

Funk carioca.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

tudo mais

o silêncio é mais silencioso,
teu verbo parece infinito.

chocolate mais chocolate,
o sol é mais sol,
o chão é mais chão,
eu sinto o chão.

nuvem é mais nuvem,
sexo é mais sexo,
tudo é tão lânguido.
quero uma coca-cola.

eu vejo as notícias.
tudo é tão absurdo.