quarta-feira, 1 de abril de 2015

sem poesia

Amor nobre, emperra o que vem depois.
Tem vez que a gente sabe,
no meio dos amores, existe O amor.

Aquele que a tudo abala.
Saudades do meu amor.
Aquele que a tudo abala.

Nenhum comentário: